< Notícias & Insights

Por que adotar a mentalidade do Design na sua empresa

Especialmente quando o trabalho remoto passa a dominar o mercado

As falhas na experiência do usuário são detalhes ou defeitos? Empresas que não enxergam a importância do design nos negócios estão desapontando usuários e jogando dinheiro fora.

O distanciamento das linguagem dos dois campos acabou gerando uma aparente incompatibilidade do design com a mesa de negociação. Mas pesquisas recentes sobre o impacto do design nos negócios mostram que esse distanciamento custa caro. 

O design ganhou terreno nas empresas porque consegue melhorar muito a performance e aumentar a receita: uma pesquisa da consultoria de investimentos NEA mostrou que as vendas em empresas que instituíram uma cultura voltada ao design subiram em 75%.

Importância do Design nos negócios

Para competir hoje no mundo digital o impacto do design como disciplina é imprescindível, pois vai muito além da estética. De acordo com a Keep It Usable, 70% dos produtos falham por não conseguirem atingir a aceitação dos usuários

Em pleno boom dos métodos ágeis, ignorar o design é perder clientes. Por isso, vale muito mais à pena reeducar a empresa em prol de uma mentalidade design-oriented

Neste artigo, vamos explicar a importância estratégica do design nos negócios, como aplicar o business design na prática e como calcular o valor que o design traz para a empresa.  

Primeiro, alguns conceitos

O Business Design evoluiu e se modificou nos últimos anos. Listamos alguns conceitos para te deixar a par deste debate antes de falarmos da importância do design nos negócios:

Design

Conceito de Design

A definição primária de Design é bastante ampla. Design pode ser definido como um processo para a resolução de problemas através de elementos visuais

O Design leva em conta o problema em si, o planejamento da solução, o processo de execução e a avaliação da solução no mundo real. 

Ao contrário do que quem vê de fora pode pensar, o Design se preocupa com a função, e não somente com a estética – que é, na verdade, parte da função. 

O Design cuida da necessidade de quem vai usar o produto, e é responsável por como o usuário será afetado pela criação dele. Pode-se dizer inclusive que o Design busca promover o bem-estar.

O melhor design é aquele que não apenas supre as necessidades do usuário, como agrega mais valor ao produto com um processo fácil e vantajoso, poupando trabalho e garantindo maiores níveis de satisfação do cliente. 

Design Thinking

Design Thinking

O Design Thinking é, basicamente, uma forma de levar a perspectiva do Design para o mundo dos negócios. 

É uma metodologia que gestores utilizam para gerar inovação, expandindo suas perspectivas e enxergar a realidade de forma holística. 

Todos nós, seja no trabalho ou na vida pessoal, temos nossos universos, com o conjunto de vivências, informações e estímulos com os quais convivemos e estamos familiarizados. 

Nossos universos tendem a influenciar nossas decisões, tornando a inovação um processo difícil. Não é fácil sair da sua bolha.

Como vimos no conceito acima, o Design existe para solucionar problemas da melhor forma possível. Sendo assim, designers não podem ser reféns de seus mindsets, pois a solução dos problemas costuma estar, justamente, nos terrenos desconhecidos. 

O Design Thinking é uma metodologia que faz com que pessoas que não são designers pensem como designers

Business Design

Design de Negócios

O Business Design é a união entre Gestão de Negócios e Design. É uma área que oferece novas perspectivas à gestão tradicional, analisando a viabilidade do negócio e planejando todo o processo de implementação.

Esta união traz a perspectiva de superação de desafios atuais trazidos pela transformação digital e o novo perfil do consumidor. 

O processo de Business Design envolve a visão de mercado, levando em conta a posição da empresa em relação à concorrência, a concepção do modelo de negócio, a precificação do produto, custos e despesas. 

Essas visões de negócios são unidas às metodologias de design, com a testagem contínua do modelo: prática, aprendizado, correção e repetição.

ROI

ROI é a sigla para Return On Investment, ou Retorno Sobre o Investimento, em português. 

Trata-se de uma métrica que mostra o retorno financeiro obtido com o emprego de uma quantidade de recursos na estratégia. O cálculo é feito pela razão entre o lucro obtido e o investimento feito.

Como calcular el ROI

O ROI é uma métrica bastante comum no mundo da Publicidade, e demonstra o quão proveitosa financeiramente determinada estratégia foi para o negócio. 

Um bom Design consegue incrementar o ROI e torná-lo cada vez mais favorável para a empresa, tornando os custos com investimento baixos e maximizando o lucro líquido obtido.

Design é bom para seu negócio

A busca pela inovação consistente e escalável tem se tornado a luta pela sobrevivência e adesão ao mercado atual.

O cenário da transformação digital e do perfil do consumidor, aliados à concorrência acirrada, coloca a importância do Design nos negócios como ponto estratégico para a superação de desafios

“A evolução natural de fazer design a pensar design reflete o crescente reconhecimento por parte dos líderes de negócios de que o design se tornou importante demais para ser deixado exclusivamente aos designers”

Tim Brown, em seu livro “Design Thinking”

Tim Brown

A frase de Tim Brown dialoga com a percepção crescente da influência do design nas empresas. 

O Design não pode mais ser apenas uma área isolada na empresa, ele precisa fazer parte da mentalidade de todos os colaboradores, reinventando a cultura empresarial.

O Design é capaz de reduzir o custo de aquisição de clientes, retê-los por mais tempo e encantá-los, simplesmente porque um bom design identifica (e não supõe) o que o usuário precisa e norteia o fluxo de resolução dos problemas. 

Quanto melhor for o Design, mais profundamente ele consegue descobrir como agregar valor ao produto. Quanto mais valioso para o usuário for o produto, mais ele está disposto a pagar.

Um bom Design causa uma redução notável nos custos porque evita o retrabalho. Desenvolvedores gastam 50% do tempo corrigindo problemas que poderiam ter sido identificados desde o início com pesquisa de experiência do usuário (Why Software Fails). 

O Design identifica falhas nos estágios iniciais de criação, antes que dinheiro e tempo de verdade tenham sido desperdiçados com erros. 

Também é um diferencial de um bom Design garantir que o produto seja executável. Um bom design desenvolve um produto levando em conta seu processo de produção e escalabilidade. 

Leva em consideração fatores financeiros, administrativos e operacionais do projeto, e define o que é realmente possível de ser realizado.

Outra característica de um bom Design é a simplicidade. De acordo com um estudo feito pela Akamai, 40% dos usuários abandonam um site que demora mais do que 3 segundos para carregar. 

Os usuários estão cada vez menos dispostos a perder tempo. Funções desnecessárias, lentas ou ineficientes não são apenas um ponto a menos, mas significam literalmente perda de oportunidades, que se traduzem em perdas financeiras. 

Portanto, simples e bem-feito é melhor do que complexo e confuso.

Inovação Design Negócios Tecnologia

A necessidade crescente dos designers nos negócios se deve à mudança no perfil do consumidor e nos modelos de serviços ofertados, cada vez mais personalizados e convenientes. 

Não há mais lugar para a perda de performance, e o Design sistematiza metodologias para levar o negócio além de suas potencialidades.

Estudos de casos 

Veja alguns exemplos práticos de como algumas empresas utilizam o Design para solucionar problemas, incorporando as metodologias em sua rotina de operações.

Estudo de caso Uber

Paypal

A Paypal, empresa de pagamentos online, notou uma grande queda no número de clientes que escolhiam a empresa para a realização de transações internacionais. A empresa usou Design para chegar a uma hipótese do motivo do problema e à uma solução.

Para manter a transparência com os clientes e garantir o acesso à informação, os advogados da empresa disponibilizaram um texto explicando a legislação à qual a empresa estava submetida para a realização deste tipo de transação. 

Através de mudanças no design e conteúdo desse texto, mantendo as informações necessárias, o número de clientes subiu e a empresa conseguiu aumentar significativamente seus lucros.

Facebook

É praticamente impossível não reconhecer o Facebook como a maior e mais utilizada rede social do mundo. A empresa optou por um Design que prioriza a simplicidade, já que o foco da rede é a interação entre seres humanos.

O intuito é evitar que o usuário perca tempo interagindo com a máquina, mantendo todo o foco no contato com amigos e familiares.

Para isso, o Facebook consertou mais de 100 pequenos problemas visuais, priorizando-os como defeitos aos quais os usuários estavam expostos.

“Nós sabemos, a partir de toneladas de dados e pesquisas, que toda vez que tornamos nossos produtos mais rápidos ou mais simples, as pessoas os usam mais. Elas compartilham mais, têm uma experiência mais recompensadora.

Tom Occhino, Diretor de Engenharia do app do Facebook
Tom Occhino Facebook

Apple

A Apple, empresa fabricante de produtos de tecnologia, construiu uma cultura de priorização do Design no desenvolvimento de seus produtos. 

A empresa deixou de lado as necessidades do negócio e focou nas necessidades dos usuários, desenvolvendo produtos simples de utilizar, priorizando a empatia com o usuário e envolvendo-o nas iterações de criação.

Outro ponto importante no processo de design foi a execução dos produtos. Para manter a excelência, a empresa focou apenas nos produtos mais estratégicos, que poderiam ser produzidos com rapidez, levando em conta os materiais utilizados na fabricação e os processos de manutenção e reparo como parte do processo.

Itaú

Com mais de 70% das transações migrando para o digital, o banco Itaú vem se reinventando através do Design há alguns anos. 

Os clientes esperam do setor financeiro a mesma agilidade, personalização e experiência que recebem em outros segmentos digitais, e essa necessidade de ação fez o Itaú investir massivamente em Design.

O tom de voz e comunicação, o nível de descontração, a jornada do cliente, a acessibilidade, a personalização: tudo foi repensado para criar uma experiência conveniente para o usuário.

O banco segmenta perfis de usuário e transmite uma mensagem diferente em cada caso, garantindo uma experiência personalizada. Entre as estratégias, estão a incorporação de perfis profissionais focados no usuário e nas tecnologias envolvidas para gerar uma cultura de inovação consistente.

Estudo de caso Itaú

Quais áreas devem estar envolvidas no processo de Design e Negócios?

O Business Design tem o papel de promover a inovação na superação dos desafios do negócio, e justamente por isso, é ideal que a equipe que fará parte do processo seja multidisciplinar

Profissionais com diferentes habilidades técnicas agregam não só na execução convencional das respectivas funções, mas também contribuem para criar uma visão holística e transmitir isso ao projeto.

Quais áreas devem estar envolvidas no processo de Design e Negócios?

O processo de Design e negócios é, na verdade, a aplicação de uma mentalidade criativa e colaborativa na resolução de problemas. 

Lembra que falamos lá em cima sobre os universos pessoais? Quanto mais multidisciplinar e colaborativo for o time que vai participar do processo de Business Design, melhores são as condições para o surgimento de ideias inovadoras. 

Por isso, é possível agregar o time inteiro no business design. Todas as áreas profissionais têm muito a contribuir para esse processo criativo, porque, além de executarem a parte técnica de suas funções, o seu time exercita soft skills.

Quais áreas devem estar envolvidas no processo de Design e Negócios?

A participação colaborativa de diversas áreas da sua empresa no processo de business design gera maior integração dos colaboradores, estimula a empatia e amplia as perspectivas adicionando pontos de vista diferentes.

Como quantificar o impacto do Design?

O Design é mais do que um conjunto de práticas e metodologias, é uma nova forma de raciocínio, que abraça a diversidade de opiniões e a empatia ao invés das concepções preestabelecidas individuais.

Por ser um processo inovador, é natural que a linguagem do Design seja diferente da linguagem tradicional voltada a negócios. 

Muitos designers não têm tanta familiaridade com as métricas de negócios, e muitos executivos estão lidando com as metodologias criativas de design pela primeira vez.

Como quantificar o impacto do Design?

Mas, compreendendo a importância do design nos negócios, vemos que vale muito à pena a adaptação entre as áreas. Só é possível provar a relação do design com o aumento da performance através da mensuração.

Como há uma distância entre o mundo do business e do design, é essencial que os designers se acostumem a quantificar seu trabalho através de métricas que demonstrem a importância do design nos negócios.

É importante estabelecer métricas especificamente pensadas para o Design no início do projeto, evitando usar qualquer métrica inadequada. 

A mensuração deve fazer parte de uma cultura estabelecida no setor de Design da empresa, levando em conta as métricas do negócio.

Como quantificar o impacto do Design?

No entanto, por se tratar de um trabalho criativo, não é uma boa ideia basear o trabalho de design apenas em métricas. 

Deve haver um equilíbrio para manter a liberdade criativa e não impactar um dos valores que o design traz para a empresa: libertá-la das pré concepções para levá-la à inovação.

Como calcular esse ROI?

Quando falamos de medir o valor do trabalho de Design, entramos em uma polêmica que envolve criatividade vs. lógica. Alimentar esse distanciamento é, na verdade, um desserviço para a empresa e para o trabalho de Design.

Como vimos, a importância do design nos negócios é estratégica, e os designers precisam ganhar espaço nas mesas de decisão: é essencial que sejam fluentes na língua dos gestores para conseguirem ter influência sobre o negócio.

ROI do Desigl

Designers também podem – e devem! – utilizar o ROI para mensurar como o seu trabalho impacta o negócio. 

O cálculo deve levar em conta as métricas que importam mais para cada negócio: número de usuários, custo do projeto, taxa de produtividade, etc. 

Uma métrica pode ser muito importante para determinado negócio e não fazer o menor sentido para outro. Os dados que devem ser usados variam muito de empresa para empresa. 

métricas de Design

Para decidir quais métricas utilizar, pense nos objetivos do negócio e nas formas como o trabalho de Design impacta o objetivo buscado. 

Os gaps devem ser identificados e mensurados: erros e defeitos do site, visitas à página de ajuda, desistências e etc. 

Com base nesses números, o designer pode apresentar o ROI anterior Vs. o ROI atual, e assim provar a importância do design para os negócios.

Mapa do design aplicado na prática

Utilizar o Design em um negócio vai além de conhecer os conceitos principais, requer uma mudança de mentalidade de todo o time envolvido no projeto. 

A equipe precisa manter a mente aberta e estimular a curiosidade, assim como cultivar a cooperação e o não-julgamento, entendendo que não são as concepções estabelecidas do negócio que devem guiar o processo criativo, porque o objetivo é chegar a ideias novas.

Davis Schmidt segmenta o processo de design nos negócios em 4 etapas principais: pesquisa, síntese, conceito e protótipo. Confira no infográfico como funciona cada uma das fases: 

Infográfico: mapa do Design

Conclusão: o Design nos negócios tem importância fundamental

Neste artigo mostramos como o Design levou diversas empresas a outro nível de compreensão dos seus usuários, melhorando sensivelmente sua performance através da identificação e reparo de gaps, aliando o Design às suas estratégias de negócio.

Importância do Design nos negócios

Também mostramos como funciona o design para negócios na prática e como calcular os benefícios do Design na sua empresa. 

A ausência do mindset de Design nos negócios é praticamente anacrônica: os negócios mudaram radicalmente, e as necessidades dos profissionais também. 

Atualmente o Design é fundamental para os negócios, e seu processo perpassa funções de gestão, testagem e produção. 

Sem um bom Design, o produto final entregue é um palpite, fruto da opinião de alguns gestores e sócios. Mas com um mundo cheio de startups e scale-ups na próxima esquina, é importante ter um processo que guie a empresa rumo à inovação.

Conheça o autor

Ana Luiza Magalhães

Fale comigo
Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *